Tratamento do Ronco e Apneia do Sono

Descrição

O distúrbio do sono que mais incomoda cônjuges, parceiros, filhos ou até mesmo - nos casos mais graves - vizinhos, é sem dúvida o ronco. Depois de muita reclamação, as pessoas que roncam demais buscam saída em médicos otorrinolaringologistas, pneumologistas, quando, na maioria dos casos, a solução está na visita a um dentista. Esse desconhecimento é comum, pois a Odontologia do Sono ainda não é tão disseminada nos pacientes que sofrem de ronco. Mas este cenário já está mudando.

O Ronco e a Apneia do sono causam muitos transtornos sociais e psicológicos, e leva a várias consequências físicas para o paciente (hipertensão, arritmias cardíacas, AVC, impotência, etc.). Cerca de 30% dos adultos roncam e embora para a maior parte deles isto não signifique um problema sério, estima-se que em 5% dos casos o ronco está associado a uma doença: a apneia de sono.

Os principais sintomas da apneia do sono são o ronco e a sonolência diurna excessiva. Embora o ronco ocorra nos dois sexos, é duas vezes mais comum no homem do que na mulher, sendo que são mais frequentes no homem a partir dos 30 anos e nas mulheres a partir da menopausa.

É uma doença bastante comum e com um grande número de pacientes sem diagnóstico e tratamento.

No site brasilescola.com encontra-se que cerca de 15 milhões de brasileiros sofram desse mal. Algumas pessoas roncam todas as noites e durante toda a noite, enquanto outras só roncam, por exemplo, quando dormem de barriga pra cima, estão constipadas ou tomam determinadas medicações, mas independentemente das origens, não há dúvida de que é um incômodo para as pessoas que com eles convivem... Poderíamos dizer que o roncador não só perturba o parceiro, como também pode perturbar o próprio sono, sem que tenha disso consciência.

O ronco é também um fator de desagregação familiar, muitas vezes levando a pessoa que ronca a dormir em quarto separado (considerado o terceiro motivo de separações nos Estados Unidos), bem como torna a pessoa que ronca motivo de brincadeiras e piadas entre companheiros de trabalho, de pescarias ou acampamentos, ou quando tem que dividir quarto de hotel, etc. 

O que é o Ronco

          O ronco é o ruído provocado pela passagem do ar nas vias respiratórias que se encontram estreitadas e ou obstruídas durante o sono, resultando no turbilhamento do ar e vibração das estruturas ao redor, principalmente pelo palato mole, produzindo som característico. Pode estar relacionado com a posição ao dormir (barriga pra cima), e principalmente devido ao desabamento da língua e do palato mole em direção a parede posterior da faringe, e não ocorre falta de ar (apneia). Obesidade, flacidez dos músculos da faringe, queixo pequeno ou retruído (pra traz), são características encontradas e que potencializam a ocorrência do ronco. Se for intenso e interrompido por pausas, o ronco pode ser um dos primeiros sinais da existência de apneia do sono.

Ronco isolado ou primário – ocorre de maneira isolada e incomoda apenas às pessoas ao redor; não apresenta nenhuma outra sintomatologia. Porém, vale ressaltar que dos indivíduos que roncam frequentemente: 19% das mulheres e 34% dos homens apresentam apneia. Todo indivíduo que ronca constantemente deverá ser avaliado.

Ronco secundário, com apneia (sem ar) – ronco com paradas respiratórias; quando ele é apenas mais um sintoma da Síndrome da Apneia do Sono ou Síndrome da Resistência das Vias Aéreas Superiores. 

O que é o ronco

O tipo de Ronco que devemos nos preocupar é:

  • O que possui tom muito alto;
  • Que ocorre todas as noites;
  • Apresenta pausas que podem durar de 10 a 90 seg;
  • Sua retomada ocorre com tom mais alto;
  • Quando a pessoa que ronca apresenta movimentos bruscos, com sensação de sufocamento.

O que é Apneia do Sono (SAHOS)

É o distúrbio mais frequente e perigoso do sono e caracteriza-se pela associação do ronco, pela sonolência excessiva e pausas respiratórias durante o sono.

É uma perturbação caracterizada por paradas respiratórias, ou redução superior a 90% do fluxo de ar pela boca ou nariz, com duração superior a 10 segundos que se repetem durante a noite, e é significativa se acontecer mais de cinco vezes por hora.

Os episódios de apneia caracterizam-se pela cessação ou diminuição do fluxo respiratório, recorrentes de obstrução das vias aéreas superiores durante o sono, resultante do colabamento das suas estruturas, principalmente palato mole, musculatura faríngea e língua. Esta perturbação provoca a fragmentação do sono durante a noite, gerando uma má qualidade do mesmo.

À medida que o sono se torna mais profundo todos os músculos relaxam inclusive os necessários á respiração. Se este processo normal não causa problemas na maioria das pessoas, em outras os músculos relaxam demais, ou, simplesmente, ao relaxar, agravam uma obstrução prévia fechando as vias respiratórias e impedindo a passagem do ar.

O que é apneia

Em alguns casos o problema reside na zona do cérebro que controla a respiração, ou seja, o cérebro "parece esquecer-se" de dar as instruções aos músculos que controlam a respiração. Podemos dizer que um doente com apneia do sono adormece, para de respirar, acorda, reinicia a respiração, torna a adormecer, mais uma vez para de respirar, e assim por períodos sucessivos ao longo da noite… Imagine o cansaço de uma noite assim…

São descritas três tipos de apneias: 

  • central - caracterizada pela cessação do fluxo respiratório, por no mínimo 10 segundos, sem os movimentos tóraco-abdominais, ou seja, ausência de comando neurológico central para que ocorra a respiração; 
     
  • obstrutiva – cessação do fluxo respiratório, também por 10 segundos no mínimo, mas com movimentos tóraco-abdominais ativos, isto é, com comando respiratório central, mas sem fluxo por obstrução das vias aéreas superiores; 
     
  • mista – enquadra-se nas mesmas descrições dos itens anteriores, entretanto apresenta um componente inicial central seguido de um obstrutivo.

Outra ocorrência, não menos importante é a Hipopneia, classificada segundo a American Academy of Sleep Medicine (AASM), como sendo a redução parcial do fluxo aéreo de 50% a 90%, por pelo menos 10 segundos, associada a uma dessaturação de oxihemoglobina (SaO2) (diminuição de oxigênio no sangue) superior a 3%, ou um microdespertar, ou ainda, uma redução do fluxo entre 30% a 90%, por no mínimo 10 segundos associado a uma queda maior ou igual a 4% na saturação de oxihemoglobina.

          Esta mesma organização (AASM) denomina de SAHOS a Síndrome da Apneia e Hipopneia Obstrutiva do Sono.

O que é apinhai

A gravidade da SAHSO é medida através da observação de um índice que é o IAH – Índice de Apneia e Hipopneia. Ele nos dá o número de apneias e hipopneias por hora durante o ciclo do sono. É obtido através do exame de Polissonografia e seus parâmetros variam segundo diferentes escolas do sono, mas os valores da ASDA – American Sleep Disorders Association (1995) são os mais utilizados atualmente.

  • IAH Menor que 5: normal

  • Entre 6 e 15: apneia leve

  • Entre 16 e 30: apneia moderada

  • Acima de 30: apneia severa 

Sinais e Sintomas da SAHOS

Ronco intenso, incomodativo e com pausas acompanhadas de um sono agitado e geralmente com forte transpiração. Despertares frequentes com episódios de sufocação, pesadelos, insônia, regurgitação, engasgos. Sono não reparador, acorda-se cansado. Noctúria, ou seja, levantar de noite para urinar, boca seca ao acordar, ter azia, pressão alta.

Sonolência excessiva durante o dia com facilidade em adormecer em circunstâncias impróprias, tais como vendo televisão, trabalhando, conversando com os amigos e dirigindo. De fato os riscos de acidentes no trabalho e de trânsito aumentam significativamente nestes doentes. Os portadores de SAHOS apresentam de 6 a 10 vezes mais riscos de envolvimento em acidentes automobilísticos, e o dobro de possibilidades de bater o carro quando comparado a quem dirige alcoolizado.

Dificuldade de concentração e atenção, com prejuízo da memória, alteração do humor, dores de cabeça matinais, irritabilidade, ansiedade ou depressão, perda de interesse sexual e as vezes dificuldades na ereção. Isolamento social. 

Nem sempre o doente apresenta todos esses sinais e sintomas ao mesmo tempo, mas com a agravação do problema, muitos deles vão surgindo ao longo da vida, proporcionando sérios riscos e desconfortos ao paciente.

Dormindo no transito

 

Consequências da Apneia do Sono

Além da alteração da qualidade de vida provocada pelos sintomas já descritos, há também riscos durante a noite, pois, cada vez que a respiração para, o nível de oxigênio no sangue baixa subindo o nível de gás carbônico, e o músculo do coração tem que trabalhar intensamente, levando a um aumento da pressão arterial cardíaca e cerebral, provocando arritmias cardíacas durante a noite, além de outras doenças cardíacas e vasculares: hipertensão, doenças coronarianas, angina, infarto do miocárdio, insuficiência cardíaca e o aumento do risco de AVC – Acidente Vascular Cerebral (derrame).

Essas alterações “avisam” o cérebro que existe um problema respiratório gerando um pequeno despertar de poucos segundos, levando a um aumento da contração muscular e restabelecimento da potência das vias aéreas superiores e normalização temporária da respiração. No paciente com apneia este tipo de evento ocorre inúmeras vezes, chegando a ocorrer centenas de vezes durante o sono, levando a sua fragmentação excessiva.

Consequência da Apnéia

 

“Pacientes com Apneia do Sono tem 5 vezes mais chance de sofrerem infarto do miocárdio e derrames cerebrais”

 

Pode provocar também:

  • Resistência a insulina, associada ao desenvolvimento da Diabetes;
     
  • A fragmentação do sono diminui a secreção do GH (Hormônio do Crescimento), prolactina, liberando Cortisol e TSH favorecendo o ganho e impedindo a perda de peso, causando ou potencializando a obesidade;
     
  • Alteração do metabolismo da leptina, hormônio que regula o apetite, que propicia a saciedade e o metabolismo glicêmico;
     
  • Acidente de trânsito e de trabalho;
     
  • Morte súbita noturna.

Diagnóstico

Quando existe a suspeita clínica, o doente deverá agendar uma consulta de sono acompanhado do seu/sua parceiro (a), pois é importante saber o que se passa de noite enquanto o doente pensa que está dormindo bem e, depois de realizada a anamnese e exame físico e ocorrendo a suspeita de SAHOS, será necessário fazer uma radiografia panorâmica para avaliação das estruturas bucais, e um exame de sono padrão de confirmação, chamado de Polissonografia, que consiste em uma análise de vários parâmetros neurológicos e fisiológicos do indivíduo durante o sono.

O paciente durante uma noite tem o seu sono monitorado, onde será feita a avaliação do ciclo respiratório como fluxo aéreo nasal e bucal, esforço respiratório, do ronco, presença, freqüência, tipos e duração de apneia (IAH), dos estágios do sono e quanto tempo o indivíduo perdurou em cada um deles, despertares, atividade elétrica cerebral, movimento dos olhos, funcionamento do coração (eletrocardiografia), oxigenação sanguínea (oximetria), movimentação das pernas, etc.

Assim se fará o diagnóstico preciso do seu sono e seus possíveis distúrbios, e a avaliação da sua gravidade para que se escolha o tratamento mais adequado para cada caso.

Exame de Polissonagrafia
Exame de Polissonagrafia

Como a polissonografia é um exame de identificação e confirmação de diagnóstico, será necessário a repetição do exame algum tempo depois de iniciado o tratamento, para a verificação da eficácia do tratamento proposto, ou quando o médico e ou o dentista julgarem necessário.

Faça aqui uma pré-avaliação da sua condição física e da qualidade do seu sono.

Para fazer uma avaliação simples da sua condição física e da qualidade do seu sono, que podem indicar possíveis distúrbios do sono, porém lembrando que isoladamente não são totalmente conclusivos, calcule os dois índices abaixo:

Índice de Massa Corporal – IMC

É o seu peso corporal dividido pelo quadrado da sua altura, onde o IMC = Peso (kg) / Altura (m)^2

Resultado:

  • Até 25: normal
  • Maior que 25: excesso de peso
  • Maior que 30: obesidade leve
  • Maior que 35: obesidade moderada
  • Maior que 40: obesidade mórbida
  • Maior que 45: hiperobesidade

Índice de Epworth

É o índice de sonolência diurna, ou seja, a facilidade que o paciente tem para dormir durante o dia. É mensurada através de um questionário simples, e seu resultado demonstra em que grau a apneia do sono pode estar atrapalhando a vida do indivíduo. Lembre-se que nem só a SAHOS pode causar sonolência, por isso é fundamental que o diagnóstico preciso, seguro e completo seja feito por profissionais capacitados através de outros exames.

Não considerando apenas se sentir cansado (a), qual a chance de você cochilar ou dormir realmente nas seguintes situações? (mesmo que você não tenha feito isso recentemente, tente considerar a chance de acontecer). Use a seguinte escala para escolher o número mais apropriado para cada situação:

Chance de acontecer:

  • 0 – Nunca aconteceria
  • 1 – Pequena chance de acontecer
  • 2 – Moderada chance de acontecer
  • 3 – Alta chance de acontecer

 

Situações Chance de Acontecer - Atribua uma pontuação para cada situação abaixo:

  • Sentado e lendo
  • Assistindo TV
  • Sentado inativo em lugar público (ex. teatro, aula)
  • Como passageiro de um carro por uma hora sem parar
  • Deitado para descansar à tarde
  • Sentado e conversando com alguém
  • Sentado quieto após o almoço sem ter tomado álcool
  • Dentro do carro, enquanto parado por alguns minutos no tráfego

Total de pontos


Resultados:

  • Menor que 08 - Sono Normal
  • Entre 08 e 10 - Sonolência Leve
  • Entre 11 e 15 - Sonolência Moderada
  • Entre 16 e 20 - Sonolência Severa
  • Entre 21 e 24 - Sonolência Excessiva

 

Caso seu IMC seja maior que 25 e seu Ìndice de Epworth maior que 08, é melhor você agendar uma consulta de sono para uma avaliação mais precisa.